Governo de SP inicia montagem do 'tatuzão' que será usado nas escavações da Linha 6-Laranja do Metrô

A construção da linha estava parada desde 2016, quando o consórcio responsável alegou que não poderia dar continuidade por falta de dinheiro. Elas foram retomadas em outubro de 2020 e a entrega das 15 estações está prevista para 2025, segundo o governo paulista. Investimento total será de R$15 bilhões, diz Doria.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) acompanhou nesta terça-feira (17) a montagem da roda de corte do equipamento conhecido como “tatuzão”, que será usado nas escavações do túnel no trecho sentido sul, entre as estações Santa Marina e São Joaquim, da Linha 6-Laranja do Metrô.

A construção da linha estava parada desde 2016, quando o consórcio responsável alegou que não poderia dar continuidade por falta de dinheiro. Elas foram retomadas em outubro de 2020 e a entrega das 15 estações está prevista para 2025, segundo o governo paulista.

Quando completamente concluída deverá atender a mais de 630 mil passageiros por dia, diz a gestão Doria.

A montagem da peça do tatuzão ocorreu na Ventilação e Saída de Emergência(VSE) Tietê e a escavação chegará até a Avenida Senador Felício dos Santos, logo após a estação São Joaquim, no bairro da Liberdade, segundo o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy.

A partir desse poço central, o tatuzão percorrerá dez quilômetros, abrangendo dez estações, com escavações em solo.

“A descida da roda de corte é um símbolo muito importante para que o shield, conhecido como tatuzão, comece o percurso sentido sul até 31 de dezembro e o outro shield, até abril de 2022, siga sentido norte”, afirmou Baldy.

Segundo o governador João Doria, a obra já emprega 3 mil colaboradores e terá R$ 15 bilhões em investimentos até a conclusão.

"Estávamos com uma obra parada aqui há vários anos e ao invés de ampliarmos a judicialização, fomos para a negociação. E hoje esse tema não só está
solucionado, como estamos com uma obra acelerada. (...) Esse é um investimento de R$ 15 bilhões em regime de PPP. Já no ano que vem, 9 mil pessoas estarão
trabalhando nessa que é a maior obra de infraestrutura urbana do Brasil e da América do Sul", afirmou o governador de SP.

Outra etapa das obras prevê a instalação de equipamento similar para a perfuração de 5,3 quilômetros no sentido norte até a futura estação Brasilândia, com escavação em rocha.

“É um momento muito importante para a construção da Linha 6-Laranja. A roda de corte é um dos principais elementos do maquinário que fará a perfuração - que
terá início em locação próxima à Ponte da Freguesia do Ó, no bairro da Água Branca”, afirmou o CEO da concessionária Linha Universidade, Nelson Bossolan.

Tatuzão

A tuneladora que percorrerá o trecho sul, chamada de ‘tatuzão’ pesa 2 mil toneladas e tem 109 metros de extensão, com diâmetro de escavação de 10,61
metros. Ela pode perfurar aproximadamente 12 metros por dia. São necessárias 45 pessoas para operar a máquina.

O tatuzão possui refeitório, cabine de enfermagem e esteira rolante para a retirada do material escavado, além de cabine de comando e equipamentos auxiliares, segundo o Metrô.

Linha 6-Laranja

Com 15 quilômetros de extensão e 15 estações, a Linha 6-Laranja vai ligar a Brasilândia, na zona norte, à estação São Joaquim, na região central.

O traçado completo é composto pelas seguintes estações: Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba-Hospital Vila Penteado, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina,
Água Branca, Pompeia, Perdizes, Cardoso de Almeida, Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim.

O trecho fará a integração com a linha 1-Azul e 4-Amarela, do Metrô, além das linhas 7-Rubi e 8-Diamante, ambas da CPTM.

A obra da Linha 6-Laranja é tocada pela empresa ACCIONA por meio de Parceria Público-Privada (PPP) com o governo de SP. Após a conclusão, a ACCIONA terá o
direito de operar a linha por 19 anos.

Fonte: G1 (São Paulo)