2021_pt

Releases Concrete Show Xperience

Confira aqui as notícias e as novidades do nosso evento 100% online

Especialista elenca quais são as principais inovações que podem reduzir perda de matéria-prima no setor, em especial, de concreto


Tema será um dos destaques da grade de conteúdos do Concrete Show Xperience, evento 100% digital que visa o debate sobre o futuro da construção civil no Brasil

 

Combater o desperdício de materiais na construção civil é considerado por muitos um dos maiores desafios do setor. Por isso, com o intuito de auxiliar na busca por soluções que levem a este objetivo, o Concrete Show Xperience promove o debate a respeito desta questão em um evento que reunirá a cadeia produtiva do cimento, do concreto e da indústria da construção civil em uma plataforma 100% virtual, de 10 a 12 de novembro. 


O tópico vem à tona no terceiro dia de evento (12), às 11 horas, com a palestra do engenheiro civil Eduardo Damião, especialista de desenvolvimento tecnológico da Tecnisa, uma das maiores construtoras e incorporadoras imobiliárias do país. Damião abordará o assunto na palestra “Como diminuir o desperdício de concreto com o uso da tecnologia”. 


“Por ser um tema já conhecido, meu intuito é provocar o setor, questionando o porquê de ainda termos que falar sobre desperdício de concreto na construção civil. Sabemos que este é um problema que ocorre há mais de 20 anos no setor. Mas, por qual razão isso ainda não mudou? Já contamos com tecnologias disponíveis no mercado que podem ajudar a combater essa questão e a trazer mais eficiência e produtividade. Então, por qual motivo não as utilizamos ainda?”, questiona. 


O especialista aponta algumas tecnologias que podem solucionar este desafio. “Uma delas são sensores que vão dentro dos balões dos caminhões betoneiras, que ajudam a identificar o volume exato de concreto que realmente está sendo transportado, já que, muitas vezes, nem os fornecedores e nem as construtoras sabem, de fato, quantos metros cúbicos do material existem lá, o que distorce os indicadores e colabora para o desperdício”, diz.


Outra inovação que o mercado dispõe e, segundo ele, pode ser mais utilizada são os projetos estruturais feitos com base na tecnologia BIM (Building Information Modeling ou Modelagem de Informações da Construção, em tradução literal), que permite a criação de um ou mais modelos virtuais de uma construção, oferecendo suporte ao projeto ao longo de todas as fases. “Com este recurso, somos capazes de analisar dados de forma mais precisa, evitando assim erros de cálculos que possam prejudicar os indicadores mais para frente”, acrescenta.


Para finalizar, Damião comenta ainda que, além dessas tecnologias, há muitas outras que podem ser desenvolvidas para aprimorar ainda mais o setor. “Por exemplo, já está mais do que na hora de desenvolvermos uma plataforma para conectar os fornecedores e as construtoras em um mesmo sistema, de forma a garantir mais transparência aos processos de fornecimento de concreto, permitindo às construtoras total visibilidade sobre as informações de concretagem que, de fato, foram para as respectivas obras. Na prática, isso é algo que não existe ainda, mas temos plena capacidade de elaborar alguma coisa do tipo para não ficarmos discutindo perda de concreto pelos próximos 20 anos também”, completa.

 

Concrete Show XperienceData: 10 a 12 de novembro.Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience 

 

Sobre o Concrete Show Xperience 

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience. 


Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.

 

Informações para a Imprensa:
Coletivo da Comunicação

Valeria Bursztein

+55 11 9 9104-2031

[email protected]


Arucha Fernandes

+55 13 9 9768-3476

[email protected]

 

 

De 10 a 12 de novembro acontece o Concrete Show Xperience em uma nova plataforma digital. A edição presencial foi adiada para 2021

  

A realização da 13ª edição do Concrete Show South America, evento que reúne em São Paulo toda a cadeia produtiva do cimento, concreto e da construção civil na América Latina, foi adiada para 2021. A decisão foi tomada para garantir a saúde e a segurança dos visitantes, expositores e parceiros, devido ao atual
cenário de incertezas gerado pela pandemia da Covid-19.

 

Neste ano, com o objetivo de continuar a reunir a comunidade do evento promovendo a geração de conteúdo, negócios e networking, acontece o Concrete  Show Xperience de 10 a 12 de novembro de 2020. O encontro virtual será realizado em uma plataforma digital desenvolvida pela Informa Markets, organizadora do evento, e contará com uma programação inédita, a ser divulgada em breve.

 

A nova plataforma Xperience dinamiza todas as vertentes de interação do evento presencial, mas oferece uma experiência completamente nova, sendo uma
ferramenta poderosa de networking, acesso e compartilhamento de conteúdo.

 

Na parte de Conteúdo, a audiência poderá acessar vídeos on demand e ao vivo. Já no Marketplace, uma grande vitrine de produtos estará à disposição do mercado, com detalhes técnicos, fotos, vídeos e opções para entrar em contato com cada um dos fornecedores. Além disso, uma avançada ferramenta de Matchmaking permitirá que compradores e vendedores com interesses comuns se encontrem de maneira fácil e realizem negócios sem burocracias. Por último, a plataforma ainda incentiva a realização de networking entre os participantes, por meio de mensagens de texto, chamadas de voz e de vídeo.

 

Para potencializar todas as funcionalidades, a plataforma conta ainda com a Blue, solução de inteligência artificial desenvolvida para conectar compradores a
vendedores, indicar os melhores conteúdos para a audiência com base em interesses, além de estimular o relacionamento de todos na plataforma digital.

 

“O mercado de eventos está em plena transformação. E o digital garantiu um lugar permanente neste novo momento de eventos B2B (business to business). O Concrete Show Xperience impulsionará o potencial e a capacidade de geração de negócios, a inovação tecnológica e a geração de emprego e renda que o setor da construção e toda a cadeia do concreto têm. Será uma nova experiência que ampliará a forte e consolidada comunidade do Concrete Show ao conectar todas as oportunidades do evento presencial ao mundo digital”, ressalta a vice-presidente de Marketing da Informa Markets, Araceli Silveira.

 

 

Concrete Show Xperience

Data: 10 a 12 de novembro.

Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience

 

Sobre o Concrete Show Xperience

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.

 

Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.

 

Informações para a Imprensa:

Coletivo da Comunicação

Valeria Bursztein

+55 11 9 9104-2031

[email protected]

 

Arucha Fernandes

+55 13 9 9768-3476

[email protected]

 

 

Rick Yelton, editor geral do World of Concrete faz palestra de abertura do Concrete Show Xperience e fala sobre as tendências e inovações para o setor da construção

       
Evento 100% digital acontece até quinta (12), sempre das 9 às 18 horas

 

O engenheiro Rick Yelton, que é o editor geral do World of Concrete, a maior feira sobre concreto e derivados do mundo, organizada pela Informa Markets, foi
o keynote speaker que abriu a sequência de apresentações de conteúdos exclusivos do Concrete Show Xperience. O evento 100% digital voltado para o setor da construção e a cadeia produtiva do cimento e concreto teve início nesta terça, 10. O evento online segue até quinta-feira, 12, sempre das 9 às 18 horas. 

 

Yelton começou a palestra de abertura pontuando as principais tendências e inovações que devem ganhar força nos próximos anos no universo da construção, em especial na cadeia do cimento e concreto. Entre essas tendências estão a integração de dispositivos que utilizam a tecnologia da internet das coisas (IoT) com maquinários, equipamentos e até o vestuário dos operários no canteiro de obras. “A tecnologia IoT não é uma novidade, mas é um ativo importante que está transformando o setor da construção, com aplicações nos processos de fabricação do concreto e nas questões de segurança dos trabalhadores”,  afirmou Yelton.       

 

Ele explicou que existem dispositivos no mercado, inclusive de origem militar, que são  aplicados em artigos do vestuário dos trabalhadores, como capacetes,
coletes e botas. “São componentes que podem ser adicionados sem muitas modificações ao vestuário e que indicam a localização em tempo real e também
fazem a medição da temperatura corporal da pessoa. O que pode ser valioso para os trabalhadores que ficam muito tempo expostos ao sol, por exemplo”, aponta o editor geral do World of Concrete.

 

Outras tendências exemplificadas por Yelton foram o uso de realidade aumentada evirtual e o machine learning. Entre as possibilidades destas inovações estão a criação de programas virtuais para o treinamento seguro de operários para o bombeamento de concreto, scanners para o monitoramento no
nivelamento de pisos e robôs para a inspeção da obra em locais de difícil acesso. Outro ponto indicado foi o crescimento da manufatura aditiva, que significa a criação de objetos sólidos por sucessivas camadas de material, depositadas com precisão geométrica a partir de softwares de modelos digitais ou impressoras tridimensionais (3D). 

 

Para finalizar, ele falou de adaptações que foram aceleradas devido à pandemia da Covid-19, uma vez o que o setor é considerado um serviço essencial e, portanto, não parou as atividades. “Tem uma empresa da Nova Zelândia que desenvolveu o aplicativo de alerta de proximidade SaferMe, que emite um alarme no caso de duas pessoas ficarem próximas ao ponto de violar a distância segura imposta por protocolos de saúde”. 

 

O diretor do Concrete Show South America, Hermano Pinto, também apareceu na abertura do evento para dar boas-vindas ao público e destacar as cinco
vertentes temáticas que serão apresentadas nos próximos três dias. “Os temas foram pensados para oferecer uma visão abrangente do momento atual da
construção no Brasil, com conteúdos sobre tendências e inovações mundiais no uso do concreto, os detalhes de normas técnicas e casos práticos de obras
inspiradoras”, disse. 

 

Resfriamento de concreto é a solução da vez

 

Ainda no bloco da manhã do evento online, o assunto voltou-se para o resfriamento de concreto, com a palestra do gerente de serviços e operações especiais da Air Liquide (líder mundial em gases, tecnologias e serviços para os setores industriais e para a área da saúde), Evaldo Fanton. O executivo apresentou a inovadora solução da empresa para este objetivo, a Cryocrete, que utiliza uma das mais eficazes substâncias de resfriamento do mundo, o nitrogênio
líquido.

 

“A tecnologia de resfriamento da Air Liquide - Cryocrete é a solução ideal para atender as mais rigorosas exigências e especificações térmicas dos processos de derrame de concreto, inclusive sob condições de temperatura extremamente elevadas, já que utiliza o nitrogênio líquido como sua matéria prima (após
armazenamento a 196 graus negativos de temperatura)”, disse Fanton.

 

Este fator proporciona diversas vantagens às operações construtivas. E o executivo enumerou as principais. “Quando falamos em vantagens técnicas deste sistema, vemos uma maior flexibilidade e precisão no controle de temperatura, um resfriamento mais rápido do que outros modelos (entre 5 e 8 minutos apenas, enquanto, quando se utiliza gelo, este tempo varia de 15 a 30 minutos) e uma excelente performance, mesmo em áreas e regiões mais quentes”, afirmou.

 

“Já quando o assunto são os benefícios econômicos, vemos ainda um baixo consumo de energia do sistema, pouca necessidade de manutenção e a possibilidade de se efetuar uma operação sem a obrigatoriedade de contar com operadores adicionais”, acrescentou.

 

Para finalizar, Fanton comentou ainda alguns dos cases de sucesso mais recentes da Air Liquide. “Um deles foi a participação na construção do Viaduto Santo Amaro, há dois anos, que integra as obras de ampliação da Linha 5 - Lilás do Metrô de São Paulo. Neste caso, foram utilizados 223 mil litros de nitrogênio líquido e 768 m³ de concreto resfriado, além de 96 betoneiras para o transporte dos materiais”, completou.

 

Parede de concreto e NBR 16.055: entendendo nuances e detalhes​

 

O Concrete Show Xperience, acrescentou na programação a série “Dica de Mestre”, com a participação de especialistas, para apresentar os diferentes aspectos e as atualizações sobre algumas normas técnicas brasileiras de construção. Neste primeiro dia de evento, a norma NBR 16.055, que versa sobre as paredes de concreto na construção de edificações, foi o tema abordado pelo diretor da Wendler Projetos, Arnoldo Wendler, com mediação do gerente de Edificações da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Rubens Monge.

 

Ambos fazem parte do Grupo Parede de Concreto, uma iniciativa criada com o objetivo de desenvolver, pesquisar e divulgar o sistema construtivo. O Grupo é formado por representantes da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (ABESC), Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e do Instituto Brasileiro de Tela Soldada (IBTS). Também participam do Grupo outras 154 empresas do setor. 

 

Segundo Wendler, a norma está em revisão desde 2018, porém não houve mudanças significativas, apenas alguns necessários aperfeiçoamentos. “O escopo da norma abrange todos os edifícios, independente da altura ou número de pavimentos, construídos com paredes de concreto moldadas no local com fôrmas removíveis e armadura distribuída. E, ainda, com o uso de concreto com a densidade normal”, explicou.

 

Uma das principais definições da revisão é a Avaliação Técnica de Projetos (ATP) que deve ser conduzida por um profissional com experiência no sistema e nível do projeto contratado simultaneamente ao projetista. A ATP avalia as considerações de cálculos e a verificação das premissas, detalhes construtivos
e especificações. Entre as novas disposições da norma 16.055 estão orientações específicas para prédios simplificados, de até cinco pavimentos, e a realização da ATP apenas uma vez em empreendimentos repetidos, desde que todas as condições de cálculos, fundações e profissionais envolvidos seja igual. 

 

Sobre o Concrete Show Xperience

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.

 

Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.

 

Informações para a Imprensa:

 

Coletivo da Comunicação

 

Valeria Bursztein

+55 11 9 9104-2031

[email protected]

 

Arucha Fernandes

+55 13 9 9768-3476

[email protected]

 

 

 

Versatilidade do material é apresentada por especialistas e profissionais do setor da construção durante o primeiro dia do Concrete Show Xperience


Maior lançamento imobiliário da MRV Engenharia, o Grand Reserva Paulista, foi tema de tour virtual

 

O pavimento urbano de concreto alcançou um patamar competitivo que indica que o material, devidamente projetado e executado, apresenta um ciclo de vida útil superior e mais sustentável aos pavimentos asfálticos. O tema foi abordado no Concrete Show Xperience, evento online do setor da construção e da cadeia produtiva do cimento e do concreto, que teve início nesta terça, 10.

 

O diretor presidente da Avantec Engenharia, Kleber Machado, apresentou um painel com os detalhes do projeto de reabilitação na Avenida Vitória, em Vitória, capital do Espírito Santo, realizado pela empreiteira. A moderação do painel foi feita pela gerente de Cidades da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Erika Mota.


Machado explica que a via é uma das mais importantes da região metropolitana do município, com 125 anos de idade. “A obra foi um divisor de águas para que os órgãos públicos pudessem compreender as vantagens do pavimento rígido de concreto. A prefeitura de Vitória, inclusive, já solicitou mais um projeto de continuidade de um novo trecho”, afirmou. 

 

A requalificação da via, de 2,6 quilômetros, da Avenida Vitória foi realizada em modelo híbrido com a reabilitação da malha asfáltica de duas faixas de rolamento e a pavimentação em concreto de uma faixa preferencial para ônibus e também uma ciclovia no canteiro central. A obra foi iniciada em outubro de 2019 e finalizada em setembro deste ano.  


No decorrer da obra, segundo o diretor presidente da Avantec Engenharia, uma decisão importante que fez toda a diferença para o sucesso foi a usinagem do concreto no local, ou seja, uma usina foi montada no próprio canteiro de obras. 

 

A gerente de Cidades da ABCP salientou, para a audiência do evento, como a quebra de paradigmas é essencial para que as prefeituras, em todos os cantos do Brasil, percebam os benefícios que os pavimentos de concreto podem trazer para a mobilidade urbana e até para a redução de custos. “Uma grande quantidade do orçamento das prefeituras vai para as operações de tapa buracos nas ruas e avenidas”, afirmou Mota.   


Maior parede de concreto da América Latina 

O concreto também foi destaque de tour virtual, realizado no maior lançamento imobiliário da MRV Engenharia, o Grand Reserva Paulista. A experiência foi uma das novidades preparadas pelo Concrete Show Xperience. O empreendimento é o principal lançamento da construtora, localizado na região de Pirituba, na cidade de São Paulo. O complexo habitacional conta com condomínios residenciais e o conceito de bairro planejado sustentável com parques, ciclovia e comércios.  


O coordenador de obras da MRV Engenharia, Fabiano Amaral, apresentou no tour os detalhes das etapas de execução do sistema construtivo que viabilizou ao empreendimento ter a maior parede de concreto da América Latina. Segundo Amaral, o estudo do projeto começou em 2015, em parceria com a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) para a busca dos diversos fornecedores necessários para a execução da obra.

 

“Optamos pelo sistema construtivo com paredes de concreto em razão das vantagens obtidas com a velocidade na construção, ao estabelecer uma linha de montagem capaz de promover a quantidade de repetições necessárias na execução de todos os pavimentos. A segurança oferecida aos trabalhadores neste sistema também influenciou a decisão”, afirmou Amaral. Até o momento, já foram construídas 51 torres, sendo 48 com 18 pavimentos e outras três torres de 16. A conclusão total do Grand Reserva Paulista deve acontecer até 2022.  


Outro aspecto positivo no uso do sistema de paredes de concreto é a sustentabilidade da obra. Segundo o coordenador de obras da MRV Engenharia, a geração de resíduos sólidos é um terço menor que a quantidade produzida em uma obra de alvenaria. Ainda na questão sustentável, Amaral disse que foram implementadas medidas para a reutilização da água de chuva e para a coleta seletiva.  

 

Nova era do isolamento acústico


Na sequência da programação do Concrete Xperience, o assunto foi o isolamento acústico em edificações. Quem falou sobre o tema foi o sócio-fundador da GP&D Consultoria e Projetos, Alexandre Britez, que trouxe um estudo de caso com bloco especial para um melhor desempenho acústico em diversas estruturas.


De acordo com ele, trata-se de um bloco de concreto diferente dos habituais, que, sozinho, consegue dar conta de praticamente todo o desempenho acústico das edificações. “Apesar de possuir a mesma geometria e as mesmas dimensões dos blocos de concreto usuais, este é um modelo bem característico, com uma espécie de parede no centro, aumentando assim a robustez e dando mais liberdade para se colocar um ponto de energia, de sistema ou de qualquer outra situação que exija perfuração sem que haja nenhum vazamento de som ou ruído no ambiente”, disse.


Outra vantagem deste modelo é a maior resistência a incêndios. “Este é o único componente conhecido do mercado que tem um tempo de resistência ao fogo de 120 minutos, ou seja, duas horas sem a necessidade de utilizar outros materiais complementares como reforço, a exemplo do drywall”, concluiu.

 

Tecnologia garante impermeabilização mais eficaz


Posteriormente, inovações em impermeabilização tornaram-se o tema da vez. Quem comentou mais sobre o assunto foi o gerente de produtos da MC-Bauchemie - multinacional especializada na fabricação de produtos químicos para o setor da construção civil -, Lucas Lisboa. O executivo detalhou duas das mais recentes tecnologias da companhia em termos de impermeabilização de subsolos e de áreas internas molhadas (como banheiros, lavanderias e sacadas). 


Em relação aos subsolos, a inovação é um exclusivo sistema de cristalização de infiltrações e fissuras, o XYPEX. “Quando falamos de áreas enterradas, encontramos alguns problemas muito comuns, como infiltrações por meio de porosidade do concreto e juntas construtivas, fissuras com percolação de água, corrosão de armadura, umidade ou formação de mofo no revestimento, entre outros desafios. E é exatamente aí que entra nosso sistema de cristalização do concreto: como uma solução para proteger as estruturas destes problemas”, pontuou.

No que diz respeito às áreas internas molhadas, a solução é a MC PROOF DF9, uma membrana de alta produtividade. “Nestes casos, alguns dos problemas mais encontrados nestes espaços, que naturalmente são mais úmidos do que outros ambientes, são fissuras nos detalhes construtivos e a necessidade de aplicação de muitas demãos de produtos em casos de impermeabilização. Pensando nisso, nossa solução chega para oferecer uma maior produtividade na impermeabilização, com uma entrega sequencial e rápida, já que usa uma membrana de copolímero na composição, que já vem pronta para uso, dotada de alta elasticidade”, completou.


Concrete Show XperienceData: 10 a 12 de novembro.

Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience 

Sobre o Concrete Show Xperience 

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience. Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.


Informações para a Imprensa:  

Coletivo da Comunicação

Arucha Fernandes

+55 13 9 9768-3476

[email protected]

 

Valeria Bursztein

+55 11 9 9104-2031

[email protected]

 

Impermeabilização e o uso de impressoras 3D foram outros destaques do primeiro tempo do evento virtual, na manhã desta quarta-feira (11)

  Evento 100% digital acontece até esta quinta-feira (12), sempre das 9 às 18 horas  

 

A experiência digital oferecida pelo Concrete Show Xperience - evento online direcionado para o setor da construção civil e para a cadeia produtiva do cimento e do concreto - promoveu nesta quarta-feira, 11, um tour virtual pelo espaço que abriga o gigantesco acelerador de partículas brasileiro, o Sirius. O vídeo apresentou ao público detalhes da estrutura e do espaço localizado em Campinas (SP), com 518 metros de circunferência e 68 mil m² de área total. 

O executivo deu início á apresentação comentando sobre o crescimento gradativo deste modelo de negócio na construção em concreto, que envolve a utilização de produtos e materiais pré-fabricados ou pré-moldados como alternativas à construção convencional. “Estes sistemas construtivos vêm crescendo no país ao longo dos anos, mas ainda há muito espaço  a conquistar. Nosso maior adversário, entretanto, é a construção convencional, que, atualmente, é responsável por cerca de 95% das obras que ocorrem no Brasil”, disse. 

Segundo Pedreira, os pré-moldados, por exemplo - materiais preparados no próprio empreendimento - já foram mais utilizados no passado e aos poucos vem recuperando a força. “Mas o que é determinante para isso? Para usar um sistema construtivo como esse é crucial verificar antes uma série de fatores: a viabilidade da sua implantação, condições de construção, mão de obra disponível, legislação e/ou restrições locais, prazos e características do empreendimento, entre outros pontos fundamentais para o êxito da obra”. 

As vantagens obtidas ao se optar por essa solução são diversas, de acordo com Pedreira. “Ao se ter menos entulho, a montagem utiliza uma estrutura mais precisa; a alvenaria encaixa-se perfeitamente, além de ser possível reduzir a demanda por revestimentos e equipe. Por outro lado, este é um sistema que utiliza um concreto de alto desempenho, de equipamentos de içamento de alta capacidade e de uma mão de obra mais especializada”. 

Outra opção deste sistema construtivo é a que faz uso de materiais pré-fabricados neste caso, são aqueles produzidos industrialmente e levados até a obra. Como explicou Pedreira, “neste modelo, os benefícios são uma estrutura com menos mão de obra no canteiro (facilitando a logística de montagem), redução da perda de concreto em obra, maior velocidade na construção e mais segurança aos profissionais. Em contrapartida, é um sistema que exige indústrias de pré-fabricados em um raio de até 300 km do empreendimento, alvenaria com vedações industrializadas, além de equipamentos de alta precisão e de mão de obra especializada”.

 Pedreira comentou ainda que há uma terceira alternativa, a do painel portante, que nada mais é do que a fabricação de paredes de concreto pré-moldadas como um todo - diferentemente dos modelos anteriores, que preparam apenas as vigas, pilares e lajes. “Neste caso, as principais vantagens são mais rapidez na execução e no prazo de entrega da obra, uma maior redução de custos, um aumento da produtividade e de uma maior otimização de mão de obra”, completou. 

A mediação da palestra foi da presidente executiva da Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (ABCIC), Íria Doniak. “Nós, da ABCIC, que é a entidade que representa a indústria dos pré-fabricados no país, temos insistido muito nesta questão, pois vemos que este é um modelo de negócio que tem avançado bastante ao redor do mundo e que no Brasil ainda estamos em desenvolvimento. Mas sabemos que ainda temos muito espaço para crescer”, finalizou.  

Experimentos de impressão de casas 3D já acontecem no Brasil  

As experiências no Brasil e em todo o mundo de construções de residências em concreto com o uso de impressão tridimensional (3D) começam a mostrar o quanto é possível que a tecnologia seja aplicada em larga escala. Porém, há um longo caminho no que diz respeito a normatização das técnicas que envolvem a construção.

O tema foi debatido na manhã desta quarta-feira, 11, durante o Concrete Show Xperience pelo professor do departamento de Construção Civil da Universidade de São Paulo (USP), Rafael Pileggi e os engenheiros Allynson Xavier e Iago Felipe da Silva, sócios da empresa do Rio Grande do Norte, 3D Home Construction. A mediação do painel foi do diretor da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Hugo Rodrigues.   

Os sócios da 3D Home Construction foram os responsáveis pela construção da primeira casa no Brasil usando a impressora 3D no município de Macaíba, no Rio Grande do Norte, projeto concluído em julho deste ano. A casa cobre uma área de 66,91 m² e levou 48 horas em tempo de impressão para ficar pronta. Segundo Xavier um dos principais desafios foi atingir a composição correta do concreto para o bombeado e cura. “Foi um desafio encontrar um material fluido e resistente para suportar o peso das sucessivas camadas de material necessárias. Todos os testes foram feitos com materiais encontrados no estado do Rio Grande do Norte”, disse.  

Para Silva, o objetivo inicial era mostrar que a tecnologia 3D é viável no Brasil e com muitas possibilidades a serem exploradas. Ele explicou que além da construção integral de casas, o potencial da impressão 3D no mercado está na fabricação de peças de infraestrutura, como tubulações, e de peças arquitetônicas e de decoração, como bancos, cadeiras, mesas e luminárias, por exemplo.        

O professor Pileggi ressaltou que não há uma tecnologia dominante no mundo e que projetos experimentais como o da 3D Home Construction são importantes para legitimar e criar confiança na tecnologia que ainda carece de boas práticas e a efetiva normatização. Em termos de avanço da impressão 3D no mundo, Pileggi destacou uma construtora na Holanda envolvida com o projeto de construção da primeira vila com casas habitáveis deste tipo.  

No sentido de incentivar a inovação no setor da construção, o diretor da ABCP disse que a associação firmou parceria com a USP para a criação do Hubic - Hub de Inovação e Construção Digital. Segundo Rodrigues, a iniciativa já tem de investimentos comprometidos R$ 8 milhões e tem por objetivo criar um espaço cooperativo para a pesquisa e o desenvolvimento de soluções inovadoras de construção digital, em particular para a cadeia de valor do cimento, que sejam competitivas para países em desenvolvimento, e que apresentem baixa pegada ambiental, alta produtividade e qualidade.  

 

Impermeabilização: o que saber e como colocá-la em prática 

As palestras técnicas voltam neste segundo dia do Concrete Show Xperience na série "Dica de Mestre", com a apresentação do diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI), José Miguel Morgado, sobre como aplicar os conceitos da norma NBR 15.575 (Edificações Habitacionais) no processo de especificação dos sistemas de impermeabilização.  

A impermeabilização tem a função de impedir a passagem indesejável de fluidos e principalmente da água e vapores, permitindo a funcionalidade e durabilidade da construção, além de proteger dos inúmeros problemas patológicos que poderão surgir com a infiltração e outros componentes agressivos da atmosfera (gases poluentes, chuva ácida, ozônio), que contribuem para a deterioração e degradação.  

Morgado salientou a importância dos projetos de impermeabilização para todos os tipos de edificações - residenciais, comerciais e industriais - porque a ausência da impermeabilização pode acarretar consequências que vão além dos danos estruturais, uma vez que o ambiente úmido e com mofo é insalubre para a saúde das pessoas.   

Outro fator é o impacto que a falta de impermeabilização pode ter nos custos de manutenção. “A impermeabilização preventiva feita durante a construção representa cerca de 1 a 3% do custo total da obra. Já os serviços executados depois de constatado o problema podem representar de 10 a 15% do custo total da obra, podendo chegar a 50% em casos de grave recuperação estrutural”, apontou o diretor-executivo do IBI.   

No site do IBI os profissionais da área podem encontrar os guias de aplicação da norma de desempenho para impermeabilização, cuja atualização está programada para os próximos meses.   

Vitrine online de produtos e serviços   

A plataforma Xperience, onde acontece o evento digital, disponibiliza para os participantes uma vitrine digital com imagens e informações sobre equipamentos, tecnologias e serviços das empresas expositoras do evento. No espaço é possível fazer uma solicitação de orçamento diretamente para o fornecedor que está online para facilitar uma conexão direta e rápida com os potenciais clientes.       

 Entre os expositores patrocinadores estão marcas como a Volvo, Air Liquide, Consulte Geo e a MC-Bauchemie.A lista de expositores conta com fornecedores de máquinas e veículos; andaimes, formas e acessórios; concreto, argamassa e componentes; bombeamento e serviços relacionados à aplicação do concreto; estruturas pré-fabricadas e artefatos de cimento; sistemas construtivos completos; centrais de concreto; materiais para laboratórios de ensaios e cursos e treinamentos.  

Concrete Show Xperience

 Data: 10 a 12 de novembro.

 Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience   

Sobre o Concrete Show Xperience  

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.  Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano. 

Informações para a Imprensa: 

Coletivo da Comunicação 

Valeria Bursztein 

+55 11 9 9104-2031 

[email protected]  

Arucha Fernandes

 +55 13 9 9768-3476 

[email protected]  

Tour virtual mostrou detalhes da estrutura e a importância do concreto no projeto

 Entre os lançamentos mostrados no evento está o concreto têxtil, uma inovação para o mercado da construção e a nova betoneira da marca sueca Volvo  

 

  A experiência digital oferecida pelo Concrete Show Xperience - evento online direcionado para o setor da construção civil e para a cadeia produtiva do cimento e do concreto - promoveu nesta quarta-feira, 11, um tour virtual pelo espaço que abriga o gigantesco acelerador de partículas brasileiro, o Sirius. O vídeo apresentou ao público detalhes da estrutura e do espaço localizado em Campinas (SP), com 518 metros de circunferência e 68 mil m² de área total. 

Construído na zona rural da cidade, o empreendimento é a maior infraestrutura de pesquisa do Brasil e uma das maiores do mundo, e faz parte do campus do Centro Nacional de Pesquisas em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).   

Avaliado em R$ 1,8 bilhão, o laboratório é especializado na análise e na produção de luz síncroton, formada por feixes de elétrons que circulam intensamente nos anéis metálicos que compõem a circunferência do acelerador e que formam linhas de luzes, chamadas luzes síncroton, que funcionam como um grande raio-x, capaz de avaliar rapidamente a estrutura interna de materiais orgânicos e inorgânicos.  

A concepção do empreendimento - como foi pensado, criado e construído - e a importância do concreto no projeto foram o foco da apresentação do engenheiro Oscar Vigna, coordenador de obras do Projeto Sirius. “Toda a estrutura deste prédio foi pensada para não ter vibrações e, assim, preservar a qualidade das pesquisas ali realizadas”, disse.  

Segundo ele, a construção foi feita integralmente em concreto armado para garantir um espaço com alta rigidez, inclusive nos pisos, feitos com traços de concreto especiais. "Em função das características que o material exige optamos por, durante a construção, instalar uma usina de fabricação de concreto ao lado do empreendimento, para termos mais controle da fabricação. Agora, o novo desafio é digitalizar toda a instalação, com o objetivo de buscar a máxima eficiência do empreendimento e melhorar ainda mais a experiência dos usuários”, complementou. 

 Quem também participou da apresentação foi o diretor da Nimble Visual Solutions, Anderson Garcia, responsável pelo projeto de digitalização. De acordo com ele, a ideia agora é criar um Gêmeo Digital para o Sirius. “Um Gêmeo Digital pode ser visto como um registro digital permanente do ativo entregue pela construtora -- no caso, o Sirius --, composto de modelos em BIM, projetos 2D e registros efetuados durante as diferentes etapas de construção do empreendimento”, afirmou. 

 Para o especialista, o valor real dessa iniciativa é a capacidade de otimizar a operação e manutenção de um ativo ou sistema físico após a conclusão do projeto. “Além de conter as informações necessárias para a rastreabilidade dos elementos construídos, este sistema traz também as especificações de projeto e dados técnicos dos equipamentos, máquinas e instalações prediais”, finalizou. 

Concreto têxtil e a revolução do concreto armado no Brasil  Ainda no bloco da tarde do Concrete Show Xperience nesta quarta-feira, 11, o assunto voltou-se para uma novidade: o concreto têxtil. O material, desenvolvido na Alemanha e composto por polímeros, fibras de carbono, vidro e resinas epóxi, tem capacidade de substituir as tradicionais armaduras de aço que, há quase 200 anos, são utilizadas para compor as estruturas de concreto armado do setor.  O diretor de engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Luiz Carlos da Silva, um dos responsáveis pelo desenvolvimento do material no Brasil, detalhou mais o assunto.   

“Basicamente, este tipo de concreto chega ao mercado para revolucionar a indústria de concreto armado no país, tornando-se uma opção competitiva ao método tradicional. Isso porque são inúmeras as vantagens que oferece, como um material mais leve (com capacidade de reduzir em até 80% o peso das estruturas), de alta resistência, com mais flexibilidade, mas, principalmente, pelo fato de não se submeter à corrosão da armadura, já que utiliza materiais alternativos às armaduras de aço”, pontuou.  

Silva disse ainda que novos estudos estão sendo realizados para aprimorar ainda mais o material e torná-lo mais competitivo. “Em 2015, firmamos parceria com a empresa alemã desenvolvedora da tecnologia, a Solidian, que nos permitiu iniciar pesquisas com o concreto têxtil também em solo nacional”, completou.  

Parceria de sucesso entre Exército Brasileiro e ABCP resulta em nova pavimentação de rodovia do Nordeste do país  

Neste ano, as obras de duplicação e pavimentação da rodovia federal BR 101, a mais importante do Nordeste do país, voltaram a ser destaque. Isso porque, em junho, o governo federal entregou mais um trecho do projeto: foram seis novos quilômetros concluídos na região de Alagoas, totalizando 17 quilômetros de novos trechos duplicados somente em 2020. 

 O êxito das obras está fundamentado em uma parceria firmada entre o exército brasileiro e a Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), que vem resultando na qualidade dos pavimentos de concreto realizados ao longo da rodovia. Quem comentou mais sobre isso foi o general Jorge Fraxe, um dos responsáveis pela execução do projeto.   

Para ele, a parceria foi primordial para obter os resultados conquistados até aqui. “Ter firmado essa colaboração com a ABCP foi fundamental para atingirmos o mais alto nível de execução da obra e para nos mostrar a importância de alguns pontos cruciais em qualquer projeto de engenharia rodoviária, como a essencialidade de se efetuar uma simulação de projeto antes de qualquer execução, pois isso é o que vai nos dizer o tempo exato que a obra levará. Outro ponto que aprendemos foi a necessidade da mão de obra qualificada, além de equipamentos de qualidade, entre muitos outros fatores”, ressaltou. 

 “Para nós, também foi uma satisfação enorme poder contribuir com esse projeto e estabelecer essa parceria. Da mesma maneira, também foi um aprendizado gigantesco para nossa equipe, que pôde acompanhar de perto cada etapa do processo e, assim, aprimorá-lo em conjunto com os profissionais do exército”, concluiu o gerente regional da ABCP Norte-Nordeste, Eduardo Moraes.

Lançamento: Novo Volvo VM Light Mixer

 A montadora sueca Volvo marcou presença na programação de conteúdo do Concrete Show Xperience para apresentar a mais recente solução para o setor: a betoneira leve Volvo VM Light Mixer. A marca é uma das expositoras que patrocinam o evento.   

O gerente de vendas da Volvo Caminhões, Carlos Paulin, e o engenheiro de vendas da marca, Glenio Karas, foram os responsáveis por mostrar a novidade para o público. Karas explicou que o Volvo VM Light Mixer foi desenvolvido para atender a crescente demanda do mercado de betoneiras, que alcançou uma alta de 58% nas entregas de janeiro até setembro deste ano em relação ao mesmo período de 2019, conforme dados da Associação Nacional de Fabricantes de Implementos (Anfir). “Nossos clientes estavam solicitando veículos mais leves que pudessem transportar mais carga líquida, o que aumenta a rentabilidade e produtividade no transporte”, afirmou.  

Entre as modificações da nova betoneira está a caixa de câmbio manual de nove marchas em alumínio, o chassi de alta resistência em aço LNE60, o entre-eixos de 4550 mm para a distribuição ideal da carga, as rodas de alumínio, a cabine otimizada e a suspensão traseira parabólica. O engenheiro de vendas da Volvo Caminhões destacou que a nova betoneira possui 900 quilos a menos que o modelo padrão.   

“A tara total do caminhão mais betoneira baixou 2.500 quilos, pesando apenas 11.650 quilos, o que possibilita transportar até 1m³ a mais de concreto, dentro da lei da balança”, finalizou Karas.   

 

Concrete Show Xperience 

Data: 10 a 12 de novembro. 

Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience    

Sobre o Concrete Show Xperience 

 A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.  Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.  

 Informações para a Imprensa:  

Coletivo da Comunicação  

Valeria Bursztein 

+55 11 9 9104-2031 

[email protected]  

Arucha Fernandes

 +55 13 9 9768-3476

 [email protected]  

 

Segundo especialistas, sistema construtivo que utiliza paredes de concreto moldadas no local da obra tende a prevalecer como o modelo dominante na construção de moradias do programa Casa Verde e Amarela (o antigo Minha Casa Minha Vida)   

Executivos e especialistas da engenharia nacional participaram do evento online, o Concrete Show Xperience, na manhã desta quinta-feira (12)  

 

O terceiro e último dia do Concrete Show Xperience, evento 100% digital voltado para o setor da construção e cadeia produtiva do cimento e concreto, promoveu uma mesa redonda ao vivo com executivos e especialistas da engenharia nacional para abordar as boas práticas da construção e as tendências em sistemas construtivos e materiais.     

 A conversa contou com participações da região Nordeste, Sul e Sudeste, respectivamente: o diretor técnico de Concreto na Tecomat Engenharia, Angelo Just; o professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Bernardo Tutikian e o CEO da Tecnum Construtora, Jorge Batlouni. A mediação do bate-papo ficou com o sócio-fundador da Píer Conexões, Carlos Regattieri.   

Para começar, Regattieri colocou em pauta o momento ímpar do mercado e as evoluções pelas quais o setor da construção passou nos últimos dez anos. Para Just, da Tecomat Engenharia, um dos avanços mais significativos foi em relação à utilização do aço, que hoje chega ao canteiro de obras em bobinas ou já cortado. “Isso facilita o processo referente à armação, o que tem impacto positivo na redução da perda do material e no aumento da produtividade”.

Batlouni, da Tecnum Construtora, concordou com a avaliação e acrescentou que as construtoras cada vez mais assumem um papel de montadoras. “O aço já vem cortado e as formas pré-fabricadas, prontas para serem montadas no canteiro de obras”, disse. Ele também apontou que os novos aditivos contribuíram para a fabricação do concreto e que a versão autoadensável é uma forte tendência para o futuro.     

 O professor Tutikian fez alusão ao momento atual, dizendo que a construção civil está voltada para o crescimento em V, de vacina. Ele destacou que os avanços no uso destes materiais também exige das indústrias da construção agilidade para acompanhar essa modernização disruptiva. “Um exemplo são as barras de fibra polimérica, que já começam a ser uma alternativa para as de aço na armadura em peças de concreto armado. Isso acontece porque as condições ambientais podem levar à corrosão do aço”, afirmou.      

 

 Habitações populares 

A conversa na mesa redonda voltou as atenções para o projeto de habitações populares Minha Casa, Minha Vida do Governo Federal - que está sendo renomeado de Casa Verde e Amarela. Tutikian destacou que o sistema construtivo que utiliza paredes de concreto moldadas no local da obra prevalece como o modelo dominante no programa habitacional, devido à possibilidade de produção em larga escala e consequente redução nos custos da obra. 

“Em relação à alvenaria tradicional, a tecnologia de paredes de concreto está presente em 63% das unidades construídas”, revela o professor. Para ele, o grande desafio das construtoras é conseguir adotar o modelo de paredes de concreto seguindo as normas de desempenho (NBR 16.055) em diferentes regiões do país, devido às particularidades de clima. “Nos requisitos de resistência, o sistema construtivo é excelente, mas sofre no desempenho térmico e acústico. Cada região do país tem particularidades que devem ser respeitadas. É o grande desafio: ganhar escala, mantendo certa customização”, apontou.  

Na opinião de Just, do ponto de vista de produtividade, o sistema de paredes de concreto é fantástico: “uma tecnologia que permite construir uma casa em dois ou três dias é ótimo”. Ele também avalia que o ponto de atenção está na diversidade do país, pois além do clima, há a questão da disponibilidade de materiais de cada região. “O concreto utilizado em Porto Alegre não servirá para o Pará, porque não há os mesmo componentes disponíveis”, disse.  

Para Batlouni, a migração para a industrialização das obras, com as paredes de concreto, é algo que veio para ficar e deve se manter nos próximos anos. Ele salientou a segurança dos trabalhadores como outro ponto importante na evolução do setor da construção. Entre as medidas adotadas, a "linha de vida": um cabo de aço que, engatado ao cinto de segurança dos operários e aos sistemas leves de redes de segurança, evita quedas.   

Foco no Katara Towers

  Ainda no bloco da manhã, o Concrete Show Xperience recebeu o division manager da Smeet Ready Mix Concrete - empresa de materiais de construção do Catar -, Mamdouh Mokhtar e o head de operações da Associação Brasileira de Fôrmas, Escoramentos e Acesso (Abrasfe), Alexandre Pandolfo, para apresentar o projeto do mais novo arranha-céu do Catar, o Katara Towers. 

 O empreendimento, localizado no distrito de Lusail Marina foi idealizado para estar pronto para a Copa do Mundo FIFA de 2022 e deve ser concluído em maio de 2021. As torres irão abrigar dois hotéis de luxo, apartamentos, escritórios, lojas e restaurantes. O Katara Towers é uma tradução arquitetônica do selo nacional do país, pois o desenho representa simbolicamente as tradicionais espadas de cimitarra. As duas torres são simetricamente curvas e se erguem há 36 andares acima do nível do solo, atingindo uma altura de 211 metros. 

Tecnologia como aliada na redução de desperdício de concreto na construção civil 

Para fechar a programação da manhã do último dia de Concrete Show Xperience, o assunto foi a tecnologia como aliada na redução de desperdício de concreto na construção civil. Quem falou sobre o tema foi o engenheiro civil Eduardo Damião, especialista de desenvolvimento tecnológico da Tecnisa, uma das maiores construtoras e incorporadoras imobiliárias do país. 

Segundo ele, perdas de concreto são tema sensível para o setor há mais de 20 anos e até agora pouca coisa mudou neste sentido. “Uma das principais razões para isso é a falta de clareza e de transparência na relação entre fornecedores e construtores”, disse. 

Para ilustrar melhor a tese, o especialista utilizou dois possíveis cenários: um com perdas e outro sem perdas de concreto durante a construção. “Na primeira situação, com perdas de concreto, isto normalmente ocorre por problemas muito frequentes, como falhas na contratação de fornecedores, em que há falta de cláusulas específicas no contrato firmado com relação ao controle de perdas. Outra razão contratual que pode gerar este resultado indesejado é a duplicidade de contratos, com um modelo da construtora e outro do fornecedor, em que cada um possui cláusulas e obrigações diferentes. Há ainda a questão da falta de alinhamento entre ambos para prevenir eventuais problemas e desafios, sem contar a falta de um real estudo da dosagem contratada”, pontuou.

 “Já no cenário sem perdas, que é o ideal, é feito um estudo logístico completo da obra, com a participação de todos os fornecedores envolvidos no processo, que passam a ter as mesmas informações de maneira alinhada. Outra alternativa para evitar desperdício do material é utilizar fôrmas e equipamentos de qualidade na preparação do processo de concretagem, assim como realizar a pesagem dos caminhões no momento das saídas. Deste modo, evitam-se erros no cálculo das cargas dos pedidos, com eventuais diferenças entre unidade medida e real dos agregados”, comentou.

 Para ele, no entanto, a melhor ferramenta no combate ao desperdício é a tecnologia. Com ela, o processo fica muito mais assertivo e seguro. “Por exemplo, ao invés de realizar cálculos de volume de concreto que serão necessários em uma obra, de maneira manual, e assim abrir espaço para possíveis erros, por que não fazê-los de forma automática? A mesma coisa na etapa de controle de recebimento, em que basta passarmos a utilizar sensores nos balões dos caminhões para ter um controle mais preciso sobre o volume de concreto que, de fato, está sendo fornecido. Sensores nos silos também são uma opção, assim como um sistema de rastreamento dos caminhões. Enfim, são várias alternativas tecnológicas que estão aí para nos ajudar a aprimorar ainda mais o processo e que precisam passar a ser utilizadas”, concluiu. 

 

Concrete Show Xperience 

Data: 10 a 12 de novembro.

 Inscrições: www.concreteshow.com.br/pt/Concrete-Show-Xperience  

 Sobre o Concrete Show Xperience

  A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.  Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.  

 Informações para a Imprensa:  

Coletivo da Comunicação  

Valeria Bursztein 

+55 11 9 9104-2031 

[email protected]  

Arucha Fernandes

+55 13 9 9768-3476 

[email protected]  

 

Fechando a grade de programação deste último dia de evento 100% virtual, temas como a crescente tendência por pisos industriais no setor, novidades em regulamentações e inovações em pavimentos de concreto em rodovias ganharam destaque 

 

O Concrete Show Xperience chegou ao fim nesta quinta-feira, 12, encerrando uma programação exclusiva de mais de 23 horas de conteúdos técnicos, totalizando 24 painéis com a participação de mais de 40 profissionais do setor e dois keynotes speakers internacionais.  A experiência online foi um sucesso ao atingir o seu objetivo principal de manter aquecido o mercado da construção e oferecer conhecimento para os profissionais ligados às empresas de sistemas para construção civil, construtoras, empreiteiras e de toda a cadeia do cimento e concreto.   

  Entre os destaques deste último dia de programação, a questão da utilização de pisos industriais de concreto com placas de grandes dimensões veio à tona, algo considerado tendência do setor atualmente. Quem falou mais sobre isso foi o diretor técnico de concreto da Associação Nacional de Pisos e Revestimentos (ANAPRE), Breno Macedo Faria. 

Para ele, além de ser uma tendência em ascensão, este modelo também oferece vantagens competitivas às indústrias, frente a outros tipos de pisos de concreto disponíveis no mercado. “São inúmeros benefícios, entre eles podemos destacar a baixa necessidade de manutenção, tanto para o piso em si quanto para os equipamentos que nele transitam, como empilhadeiras, já que por ser um piso maior, faz com que a estrutura, depois de pronta, tenha menos juntas -- ou seja, menos oscilações --, resultando em um piso mais uniforme, com menor impacto nos equipamentos”, comentou. 

Para garantir um projeto bem feito e um resultado satisfatório é necessário superar alguns desafios, aponta o especialista. “O primeiro ponto a ser observado é a necessidade de se ter um reforço estrutural, isso porque uma placa de grandes dimensões implica, automaticamente, em maior retração. Outro foco de atenção deve ser o terreno onde o produto será instalado, que deve ser cuidadosamente avaliado para verificar possíveis deformações naturais e o comportamento frente a este tipo de piso, evitando assim que o produto venha a sofrer fissuras ou danos”, completou. 

Manutenção e boas práticas de construção fazem a diferença em edificações 

Outra apresentação de destaque no terceiro dia de Concrete Show Xperience foi a que recebeu os irmãos Alexandre e Carlos Britez, ambos engenheiros e especialistas no setor, que abordaram o tema “Manifestações patológicas e boas práticas da construção: tudo o que você precisa saber”. 

Dando início à palestra, Carlos explicou o conceito de patologia na construção. “Quando nos deparamos com uma manifestação patológica na área da construção significa que o problema identificado pode ter diversas causas ou razões. Basicamente, o que ocorre é o seguinte: identificamos alguma manifestação/ problema em uma edificação, fazemos uma série de avaliações para saber a origem do mesmo e, então, realizamos ensaios/ testes para refutar ou confirmar hipóteses. Somente assim, podemos partir em busca de uma solução”, comentou. 

Alexandre ressaltou que, para isso, dispor de conhecimento técnico é crucial. “De nada adianta falar de manifestação patológica a um profissional que não sabe o que fazer ou como resolver o problema. Se ele não conhece o setor ou o empreendimento em si, não adianta nada. É muito fácil afirmar que uma fissura, por exemplo, é causada por isso ou aquilo sem ter certeza de fato. De nada adianta falar de manifestação patológica a um profissional que não sabe o que fazer ou como resolver o problema. Se ele não conhece o setor ou o empreendimento em si, não adianta nada. 

Na sequência, o assunto passou às boas práticas da construção, com base nas regulamentações mais recentes do setor neste sentido. “Entre elas, destaque para a Norma Brasileira 16.747, uma das mais atuais, publicada neste ano. Na prática, esta é uma norma que trata sobre inspeção predial: diretrizes, conceitos, terminologias e procedimentos”, disse Alexandre. 

 

Revisão da NBR 6.118: a visão dos especialistas 

O tema "normas" foi pauta também da palestra do diretor adjunto de normas técnicas da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE), Alio Kimura. O executivo participou do Concrete Show Xperience com o desafio de falar sobre a revisão atual da Norma Brasileira 6.118, que trata de projeto de estruturas de concreto. A norma já existe há 80 anos, sendo que a última atualização aconteceu em 2014.

 A expectativa é que o texto revisado seja publicado em 2021. “As revisões não devem trazer novidades de grande impacto, apenas ajustes e melhorias pontuais”, disse Kimura, explicando que o processo de revisão da norma é realizado por um grupo de trabalho que envolve a ABECE, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e o Instituto Brasileiro do Concreto (IBRACON).  

Segundo Kimura, ao longo dos últimos dois anos foram recebidas 163 sugestões de melhorias para diversos pontos do texto normativo. Destas, mais de 90 já foram analisadas e deliberadas. Entre os itens que devem sofrer modificações estão: avaliação de conformidade do projeto; estruturas de nós fixos e móveis; consideração aproximada da não linearidade física e da simbologia do comportamento do conjunto de materiais.   

A data limite para o recebimento de sugestões é dia 31 de dezembro. “É uma norma que necessita ser revisada constantemente por tratar de um tema - projetos de estruturas de concreto - muito abrangente e em constante evolução. E isso não acontece apenas no Brasil, mas no mundo todo”, ressaltou Kimura.  

 

Pavimento de concreto é viável na relação custo x benefício? 

  Para fechar o ciclo de conteúdos exclusivos do Concrete Show Xperience na tarde desta quinta, 12, foram abordados aspectos da viabilidade técnica e econômica do pavimento rígido de concreto em rodovias. A temática foi apresentada pelo diretor da Marcílio Engenharia, Marcílio Neves, e mediada pelo engenheiro de projetos da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Fernão Dias. 

  O engenheiro da ABCP destacou que o pavimento rígido de concreto tornou-se, nos últimos anos, uma solução viável e com custos competitivos de execução e manutenção. “É um sistema construtivo de alta durabilidade, que deve ser estudado e contemplado pelos órgãos públicos e concessionárias nos projetos de estradas e rodovias. O que resultaria em mais investimentos na ampliação da nossa malha rodoviária, porque o custo de manutenção seria menor”.  

 Segundo Neves, que é especialista em projetos rodoviários em pavimento de concreto, o que está viabilizando as obras com o pavimento rígido são dois fatores principais: os aumentos constantes dos preços de materiais asfálticos nos últimos cinco anos e os estudos técnicos e econômicos de alternativas. “A comparação entre os projetos de pavimento rígido (concreto), flexível (asfáltico) e o semirrígido (categoria intermediária que mescla os dois) é o único meio de estabelecer, sem dúvidas, a melhor alternativa”.  

Ele aponta que o determinante para os estudos de qualquer pavimento é o  dimensionamento correto da carga dos caminhões que trafegam na rodovia. “É preciso que o cálculo seja feito com base nas pesagens reais dos eixos, realizadas nos trechos da rodovia. Este número pode variar muito, portanto, não podem ser utilizadas apenas estimativas baseadas na carga máxima legal permitida”.    

Como exemplo de caso de sucesso de rodovia brasileira que aderiu o pavimento de concreto, Neves mencionou os trechos da BR 163, entre os municípios Itiquira (MT) e Sinop (MT), da concessionária Rota do Oeste. Ele afirmou que o pavimento rígido tem ganhado preferência nas rotas do agronegócio, em razão do tráfego intenso e pesado de caminhões. Em números, o especialista apresentou uma tabela atual de um projeto de rodovia na região Sul. “No estudo, o custo do pavimento flexível ficou em R$ 520 milhões contra R$ 404 milhões do rígido. E a projeção de gastos com manutenção pelo período de 30 anos, foi de R$ 281 milhões do pavimento de asfalto contra a R$ 25 milhões do pavimento em concreto”.   

Sobre o Concrete Show Xperience   

A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.  Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro acontece de 10 a 12 de novembro deste ano.   

Informações para a Imprensa:

Coletivo da Comunicação  

Arucha Fernandes 

+55 13 9 9768-3476 

[email protected]  

Valeria Bursztein 

+55 11 9 9104-2031 

[email protected] 

 

Evento online teve mais de 23 horas de conteúdos técnicos, totalizando 24 painéis com a participação de mais de 40 profissionais do setor e dois keynotes speakers internacionais  

13ª edição do Concrete Show South America, na versão presencial, está programada para  31 de agosto a 2 de setembro de 2021, no São Paulo Expo, na capital paulista   

 

O protagonismo do concreto entre as soluções construtivas utilizadas no Brasil e no mundo foi a pauta central do Concrete Show Xperience, evento 100% online do setor da construção e da cadeia produtiva do cimento e do concreto. Realizado de 10 a 12 de novembro, a plataforma Xperience registrou mais de três mil usuários inscritos ao longo dos três dias de evento e atingiu aproximadamente 25 mil visualizações (pageviews).  

 A experiência digital atingiu o objetivo principal: manter aquecido o mercado da construção e oferecer conhecimento para os profissionais ligados às empresas de sistemas para construção civil, construtoras, empreiteiras e de toda a cadeia do cimento e concreto. No total, o Concrete Show Xperience ofereceu uma programação exclusiva de mais de 23 horas de conteúdos técnicos, totalizando 24 painéis com a participação de mais de 40 profissionais do setor e dois keynotes speakers internacionais.  

 “O atípico ano de 2020 movimentou o mercado de eventos b2b (business to business), que precisou se reinventar para a realização de eventos em formatos digitais. O Concrete Show Xperience é o resultado do trabalho intenso da Informa Markets para garantir à comunidade tradicional do evento a realização de uma edição 100% digital, com a qualidade da versão presencial que é promovida há mais de 10 anos. Estamos satisfeitos com a estreia bem sucedida, ao conseguirmos entregar um ambiente exclusivo de conteúdo técnico e negócios que é a marca registrada do Concrete Show South America”, celebra o diretor do Concrete Show,  Hermano Pinto.  

A 13ª edição do Concrete Show South America, na versão presencial, está programada para realização de 31 de agosto a 2 de setembro de 2021, no São Paulo Expo, na capital paulista.  

Programação de conteúdo - Durante os três dias de realização, o Concrete Show Xperience reuniu profissionais e especialistas, que apontaram quais as atuais tendências ligadas ao mercado da construção e as técnicas construtivas que utilizam o concreto como material principal. Entre os destaques, o pavimento urbano de concreto foi amplamente debatido, porque alcançou um patamar competitivo que indica que o material, devidamente projetado e executado, apresenta um ciclo de vida útil superior e mais sustentável aos pavimentos asfálticos.  

Outro sucesso da grade de conteúdo foi uma mesa redonda, ao vivo, com executivos e especialistas da engenharia nacional para abordar as boas práticas da construção e as tendências em sistemas construtivos e materiais. A conversa contou com participações da região Nordeste, Sul e Sudeste, respectivamente: o diretor técnico de Concreto na Tecomat Engenharia, Angelo Just; o professor da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Bernardo Tutikian e o CEO da Tecnum Construtora, Jorge Batlouni. A mediação do bate-papo ficou com o sócio-fundador da Píer Conexões, Carlos Regattieri.  

 Os engenheiros especialistas debateram o sistema construtivo que utiliza paredes de concreto moldadas no local da obra. Segundo eles, é um modelo que tende a prevalecer como dominante na construção de moradias do programa Casa Verde e Amarela (o antigo Minha Casa, Minha Vida).   

Os destaques internacionais ficaram por conta do engenheiro Rick Yelton, que é o editor geral do World of Concrete - a maior feira sobre concreto e derivados do mundo, organizada pela Informa Markets - e o division manager da Smeet Ready Mix Concrete - empresa de materiais de construção do Catar -, Mamdouh Mokhtar. Yelton apontou as tendências e tecnologias que estão ganhando força no universo da construção, como a internet das coisas, manufatura aditiva, realidade aumentada e virtual e o machine learning. Já Mokhtar apresentou o projeto do mais novo arranha-céu do Catar, o Katara Towers. 

 Tours virtuais - Uma das novidades preparadas pelo evento foram dois tours virtuais que apresentaram, por vídeo, os detalhes estruturais de dois grandes empreendimentos brasileiros. O Grand Reserva Paulista, projeto imobiliário da MRV Engenharia, que possui a maior parede de concreto da América Latina, e o gigantesco acelerador de partículas brasileiro, o Sirius. O vídeo do Sirius apresentou ao público o espaço localizado em Campinas (SP), com 518 metros de circunferência e 68 mil m² de área total.  

O Concrete Show Xperience contou com a parceria da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP); o Instituto de Impermeabilização (IBI); a Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE); Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic) e a Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc). Também com o apoio da Instituição de Ciência e Tecnologia do Senai.   

Sobre o Concrete Show Xperience  

 A Informa Markets, organizadora do Concrete Show South America, principal ponto de encontro da cadeia produtiva do cimento, concreto e toda construção civil na América Latina, inova e oferece um evento virtual para todos os profissionais ligados à cadeia de fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços para o setor da construção: o Concrete Show Xperience.  Trata-se de um evento digital exclusivo que promete reunir todos os players dos segmentos do universo do Concrete Show em um único canal virtual e promover o intercâmbio de conteúdo, geração de negócios e interação. O encontro aconteceu de 10 a 12 de novembro de 2020.  

Informações para a Imprensa:

Coletivo da Comunicação 

 Arucha Fernandes 

+55 13 9 9768-3476 

[email protected]  

Valeria Bursztein

 +55 11 9 9104-2031 

[email protected]