Logo_siteLogo
Logo_siteData

Ministério da Infraestrutura está otimista com concessões

 

No ano passado, o ministério tinha R$ 8 bilhões de orçamento e todo esse valor foi executado

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse esperar que aos R$ 239 bilhões de investimentos privados previstos no programa de concessões, se somem, até o fim do mandado do atual governo, R$ 30 bilhões de recursos públicos.

No ano passado, o ministério tinha R$ 8 bilhões de orçamento e todo esse valor foi executado."Podemos fazer um pouco mais (neste ano).

Não adianta pedir muito para projetos, porque temos uma capacidade limitada de execução.

Entre R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões a mais, a gente tem condições de executar", explicou.

"Então, podem ser R$ 30 bilhões públicos que, até o fim do período, vão se somar aos R$ 239 bilhões privados", disse o ministro.

Apesar de prever aumento de recursos públicos no programa de concessões, Freitas garantiu que o governo manterá a linha liberal.

"Quando o Pró-Brasil, nasceu, houve interpretação equivocada do programa", disse.

De acordo com o ministro, há preocupação de melhorar o arcabouço legal das agências reguladoras para "trazer alívio para o setor privado".

Nessa linha, um dos pontos é a mudança do regime de partilha para tornar leilões de óleo e gás do pré-sal mais atrativos.

"Temos (os campos) Sépia e Atapu remanescentes da cessão onerosa para serem leiloados.

O marco do saneamento também é importante, o investidor tem muito interesse. Ficou evidente que esta crise de saúde foi agravada pela falta de saneamento básico.

É preciso dissipar os riscos jurídicos", assinalou. "Estamos falando de novos investimentos, notadamente privados.

Fazer a Fiol (Ferrovia de Integração Oeste Leste) este ano, a Ferrogrão, os 17 mil km previstos de rodovia, 43 aeroportos, dezenas de terminais portuários, linhas de transmissão, óleo e gás, saneamento básico. Obviamente, também alguma coisa de obra pública, que a gente pode fazer mais", disse Freitas.Aeroportos.

O ministro destacou, ainda, que a venda de terminais aeroportuários continua na agenda de concessões, apesar da violenta queda na demanda por voos.

"Nós vamos arrebentar na venda de aeroportos. Por uma razão muito simples: ousadia. Todo mundo está tirando aeroportos da praça e nós vamos colocar, seremos vendedores exclusivos no mundo", afirmou.

"Nós estamos adequando a demanda e vamos acabar com uma restrição, que era obrigatoriedade de 15% do capital de um operador aeroportuário.

Agora vamos permitir que qualquer um possa fazer uma oferta por um aeroporto, basta um suporte técnico com operador, o que abre espaço para que fundos de investimentos possam", ressaltou.

"A gente vai conseguir vender todos os aeroportos que estão na carteira, começando, na 6ª rodada, que deve ir para o mercado no primeiro trimestre do ano que vem", disse.

O Ministério da Infraestrutura estima leilão em março de 2021. "Na sequência, virão Viracopos e São Gonçalo do Amarante (dois terminais devolvidos pelos concessionários).

E, na 7ª rodada, Congonhas e Santos Dumont.”Depois de mais de um mês de suspensão dos voos em todo o país, devido à pandemia da Covid-19, as companhias de aviação começam a retomar gradualmente a operação da malha aérea.

No último fim de semana, o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, que ficou quase totalmente paralisado desde meados de abril, voltou a receber voos da Latam e da Gol.A Azul, que tem base no aeroporto de Viracopos, em Campinas, deve voltar a operar no terminal da capital paulista em 15 de junho.

A empresa informou que planeja ter até 168 voos por dia no próximo mês, para diversos destinos, entre os quais Rio de janeiro e Brasília.

A Gol planeja 100 voos diários e a Latam pretende operar 74 rotas nacionais.


Fonte: Correio Braziliense